8 estratégias de transição de carreira para quem está pensando em mudar!

Só de pensar em fazer transição de carreira você já tem um treco? Está infeliz com a sua carreira, mas tem medo de mudar? Vive tentando encontrar justificativas pra continuar exatamente no lugar em que está, mesmo sabendo que já passou da hora de agir em direção a um novo caminho profissional? Quer mudar de carreira, mas ainda não tem clareza de qual mudança seria essa?

A verdade é que passamos quase 1/3 da nossa vida no trabalho, o que torna praticamente inviável a ideia de seguirmos numa carreira que já não está nos fazendo feliz.

Movimentos de transição de carreira são cada vez mais comuns nos dias de hoje, de modo que mudar de carreira não significa que você falhou na sua carreira atual, mas, apenas, que resolveu se dar mais uma chance de ser para ser feliz e realizado profissionalmente.

Agora que você escolheu recomeçar, vou compartilhar com você o passo a passo para que você possa entender, de fato, o que fazer e para onde ir, partindo do pressuposto de que você ainda está se sentindo perdido e com muitas dúvidas a respeito da sua transição.

Bora?

 

1- Clareza

Existem vários motivos que levam um profissional a buscar uma mudança na carreira: falta de perspectiva de crescimento na empresa e/ou área de atuação atual, desalinhamento de valores e objetivos em relação à empresa atual, descontentamento com a remuneração e/ou com o modelo de trabalho, vontade de seguir outros rumos profissionais, mudança na vida pessoal…

Transição de carreira nem sempre é sinônimo de pedido de demissão ou mudança de profissão. Muitas vezes, o problema pode ser mais simples do que imaginamos, bastando fazer alguns pequenos ajustes de rota, como uma mudança na atividade desempenhada ou na área de atuação dentro da própria empresa. Em outras, mudanças maiores podem ser necessárias, tais como uma mudança de profissão e de modelo de trabalho mesmo.

Nesse sentido, é muito importante que você entenda qual é o seu principal motivador, ou seja, o problema principal que está gerando a sua insatisfação, pois é nele que você tem que focar.

Algumas perguntas que vão te ajudar a gerar essa clareza são: O que está acontecendo de fato? Do que você realmente precisa?

 

2- Curiosidade

 Eu e você vivemos numa bolha e, muitas vezes, por causa disso, ficamos presos a modelos e definições do que é e do que não é uma determinada profissão e/ou caminho profissional. Para pensar além da caixa, é fundamental que você tenha curiosidade para explorar todas as possibilidades possíveis de atuação dentro da profissão que você escolheu, antes de afirmar que o seu problema é mesmo com ela.

Também é fundamental que você busque por mais repertório, pesquise novos mercados, converse com pessoas de outros nichos e tenha curiosidade para fazer o que nunca fez.

Como você saberia que é ótimo pra fazer móveis em madeira, por exemplo, se nunca tivesse entrado naquele curso de carpintaria só por curiosidade, sem nenhuma pretensão profissional?

 

3- Visão sistêmica

Entenda que a sua carreira é uma jornada, composta de passado, presente e futuro. Nesse sentido, todas as suas experiências importam, mesmo que, no momento atual, você tenha a impressão de que, se mudar de profissão, por exemplo, vai jogar toda a sua carreira fora.

Seu repertório, suas vivências, as pessoas que você conheceu, a rede de contatos que construiu, a habilidades que desenvolveu ao longo do caminho e toda a maturidade que foi adquirindo ao longo do tempo fizeram de você a pessoa e o profissional que você é hoje e, sem dúvida alguma, são pontos fortes que você tem e que vão te ajudar em todo e qualquer caminho profissional que decida seguir.

Muitas vezes, nessa jornada, tudo o que você precisa é saber como ligar os pontos, aparentemente desconexos, de forma que você encontre um caminho que alinhe grande parte dos seus talentos e paixões num mesmo combo.

Para te ajudar nesse processo, eu recomendo que você faça uma listinha dos seus principais talentos, paixões e objetivos de carreira, levando em conta as suas preferências de trabalho atualmente e o estilo de vida e trabalho que você almeja alcançar.

São esses 3 pontos (talentos, paixões e objetivos) que vão te ajudar a ligar os pontinhos com mais assertividade e a enxergar toda a sua jornada até agora, desde o começo.

 

4- Discernimento

 Você também precisa se atentar para o fato de que é a nossa capacitação que precisa atuar a favor dos nossos objetivos profissionais, e não o contrário.

O que isso quer dizer na prática?

Que você não precisa ter clareza do caminho todo, é verdade, mas você precisa ter clareza do seu próximo objetivo, o que significa que, antes de sair investindo em graduações e pós-graduações feito um estudante serial, sem a clareza do porquê você está fazendo isso (e de como essas formações vão agregar, de fato, ao trabalho que você quer desempenhar), é fundamental que você entenda qual será a aplicabilidade prática dessas formações na sua carreira.

Diploma importa? Importa! Mas você precisa entender por que é que você quer esse diploma (nem que seja apenas porque você tem curiosidade pelo assunto e condições financeiras pra fazer esse investimento), do contrário, a suas formações e certificações serão apenas gastos infundados, concorda?

 

5- Atitude consciente

Tome muito cuidado com a eterna “profissão estudante”, de quem está sempre em busca da próxima pós-graduação, do próximo mestrado, do próximo doutorado, do próximo curso, mas que nunca aplica o que aprende e continua sem clareza do que quer.

Transição de carreira é movimento. E movimento pede ação.

Nesse sentido, vale a máxima: “É caminhando que se faz o caminho”.

Aprender é sempre válido, mas você precisa saber aplicar o que aprendeu. Inclusive, pra validar o aprendizado.

 

6- Percurso

 Não adianta querer chegar ao topo do monte sem topar passar por todos os percalços da caminhada.

Todo movimento de transição, seja ele menor ou maior, vai exigir que você tope assumir alguns riscos, abrace alguns desafios, faça alguns sacrifícios e tenha disciplina pra não deixar de fazer o que você sabe que precisa ser feito para alcançar o que deseja.

Nesse sentido, é muito importante que você tenha clareza da onde você quer chegar, pois é essa clareza que vai gerar a motivação necessária para que você não desista ao primeiro obstáculo.

Quando você tem muita vontade de fazer a coisa toda acontecer, quando você tem muita clareza sobre qual é o seu porquê e sabe o quanto ele significa pra você, as chances de você abandonar o barco, mesmo num mar revolto, são quase nulas.

Uma pessoa determinada e com sangue nos olhos pra alcançar o que deseja é imparável.

 

7- Autoconfiança

 É aquela velha história: se você não acreditar em você e no seu potencial, ninguém mais vai.

A autoconfiança é fundamental em todo e qualquer movimento de transição de carreira que a gente queira fazer e em todo e qualquer objetivo que a gente deseje alcançar na nossa vida, porque é ela que vai te ajudar a colocar em prática todas as ações que você terá que desempenhar pra chegar aonde deseja.

Uma pessoa autoconfiante, inclusive, tende a investir mais em aspectos muito importantes em toda jornada de carreira, tais como o marketing pessoal e o networking.

Além disso, é inegável o quanto a autoconfiança gera mais inteligência emocional e mais segurança na caminhada, outros pontos indispensáveis para quem deseja alcançar o sucesso, seja lá o que sucesso signifique pra você.

 

8- Planejamento

Toda carreira vai ter desafios, eu sei. E, muitas vezes, alguns desses desafios vão ser imprevisíveis mesmo. Há coisas que não estão no nosso controle. Há situações que nos escapam completamente em termos de previsibilidade. No entanto, muita coisa pode ser atenuada e muitos riscos podem ser minimizados ou mesmo eliminados por meio de um bom planejamento.

Estruturar um plano de carreira não te dá garantias de nada, é verdade, mas aumenta MUITO as chances estatísticas de você alcançar o que deseja.

Planejar acalma a nossa mente: a tendência da mente humana é a de projetar um futuro catastrófico pra nós. Quando a gente planeja, é como se a gente estivesse dizendo assim pro nosso cérebro: “Fica tranquilo, meu querido, nós temos um plano”.

Planejar também aumenta as nossas chances de realizar: quando você escreve as suas metas e planeja como você vai fazer para alcançá-las, você potencializa as suas chances de fazer acontecer, principalmente quando você compartilha esse seu plano com alguém.

Além disso, planejar nos ajuda a assumir riscos calculados: ninguém escreve planejamento na pedra, exatamente porque o mundo é do imprevisível mesmo. No entanto, um bom planejamento nos ajuda a entender melhor onde estamos, aonde queremos chegar e quais riscos estamos dispostos a assumir para chegar lá, ao trazer à tona a ideia do fracasso aceitável: até que ponto vale a pena arriscar? Se o pior cenário acontecer, o que você suportaria perder?

Nesse sentido, se você deseja passar por um processo de transição de carreira, é fundamental que você tenha em mente a importância do planejamento, inclusive financeiro.

Muitas vezes, aliás, é justamente a falta de planejamento financeiro que vai te fazer empacar no seu processo de transição, bem como no alcance dos seus objetivos na carreira e na vida.

Planejar a sua carreira, sem deixar de levar em conta o planejamento financeiro nesse combo, é o que vai te ajudar a chegar aonde você deseja.

 

*Quer uma dica bônus que vai te ajudar muito nesse processo? Peça ajuda, principalmente de pessoas que já passaram pelo que você vai ter que passar. Conte com mentores para te ajudar nessa jornada, pois, certamente, você ganhará em velocidade e estratégia, além de gerar mais clareza, mais foco e mais autoconfiança também!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *